Newton Cardoso Jr: "Precisamos identificar claramente as fontes de financiamento para as medidas de combate ao mosquito"

Newton Cardoso Jr: “Precisamos identificar claramente as fontes de financiamento para as medidas de combate ao mosquito”

A comissão mista que analisa a Medida Provisória 712/16, que permite a entrada em imóveis fechados para combate ao mosquito Aedes aegypti, aprovou nesta quarta-feira (9) seu plano de trabalho.

O relator da comissão, deputado Newton Cardoso Jr (PMDB-MG), afirmou que o mais importante é garantir, desde já, recursos para que os planos de ação sejam colocados em prática.

“Em todas as frentes que estão previstas e que deverão constar do relatório, nós precisamos identificar claramente as fontes de financiamento para essas medidas. De outra forma, as previsões, as ações desejadas que efetivamente possam combater a disseminação dessa pandemia, ficarão comprometidas”, declarou.

Burocracia

A presidente da Confederação Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde, Ruth Brilhante de Souza, afirmou que a MP vai apressar o trabalho de combate ao Aedes aegypti. Ela explicou que, no caso dos imóveis fechados, é necessária uma autorização da prefeitura que, muitas vezes, é demorada, dando mais tempo para a reprodução dos mosquitos. “A autorização demora e, quando a gente consegue entrar, é com o apoio da polícia e também dos bombeiros”, disse.

O plano de trabalho prevê a realização de três audiências públicas. A primeira, com órgãos do governo ligados ao combate ao mosquito. A segunda, com cientistas para apresentar formas de combater o Aedes aegypti. A terceira, para definir formas eficazes de combate ao mosquito e para debater o tratamento das crianças com microcefalia.

A previsão da comissão é votar o relatório até o final de abril.