Isauro Calais - Sarah Torres ALMG

As empresas de comunicação da Zona da Mata reclamam da crise econômica que assola o setor e buscam alternativas para sobrevivência. O assunto foi debatido nesta quarta-feira (17) pela Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Como representante da Zona da Mata, o deputado Isauro Calais (PMDB) destacou que a publicação mais antiga de Juiz de Fora, o “Tribuna de Minas” demitiu neste ano mais de um terço de seus jornalistas para cortar despesas.

“Temos 60 empresas de comunicação na Zona Mata, responsável por 7,6% do PIB do Estado. Sem contar que 400 pessoas se formam em jornalismo por ano, na região”, ressaltou o parlamentar ao destacar a importância do setor.

Para o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, Ricardo Miranda, deveria haver mais políticas de incentivo aos veículos de comunicação do interior uma vez que o momento tem sido bastante delicado. “Vivemos um período complicado, de grande precarização das relações trabalhistas. O maior financiador da comunicação ainda é o Executivo. Assim sendo, são essenciais políticas públicas e o direcionamento de recursos para o setor”, observou Miranda.

O fundador de “O Vigilante Online”, de Leopoldina, Júlio César Gonçalves disse que em tempos de crise, os veículos de comunicação são os primeiros a sofrer, devido aos cortes na publicidade. “Atualmente contamos com uma equipe reduzida. Para mudar esse quadro, as autoridades precisam repensar a distribuição de patrocínio na mídia”, observou.

É da mesma opinião o diretor do site de mesmo nome, Silvan Alves, de Muriaé. “Esbarramos na falta de recursos e incentivos. Meu site funciona há 10 anos e só agora consegui uma pessoa para trabalhar comigo. Acredito na ideia de unir a imprensa do interior para que possamos crescer todos juntos”, destacou.

Em Cataguases a situação não é diferente. Marcelo da Silva Lopes, diretor do “Site Marcelo Lopes”, outro portal de notícia da região, reforçou que o setor também enfrenta problemas mas por falta de mão-de-obra. “Nenhuma das sete emissoras de rádio na cidade possui o setor de jornalismo. Lá faltam profissionais”, disse.

O representante do jornal O Leopoldinense, Alair Silva, de Leopoldina, também manifestou preocupação com a qualidade do jornalismo na região destacando o problema causado pela divulgação de notícias falsas.

Durante a reunião, o deputado Isauro Calais pediu a expansão do sinal da TV Assembleia na Zona da Mata. “Precisamos levar o sinal para mais cidades para que o eleitor possa fiscalizar e acompanhar o mandato dos deputados e a atuação das comissões”, disse. O deputado acredita que a expansão do sinal seria uma forma de incentivar a comunicação no interior.