Cristiano Silveira (deputado estadual PT/MG),  André Quintão (deputado estadual PT/MG),  Tiago Ulisses (deputado estadual PV/MG),  Thiago Cota (deputado estadual PMDB/MG),  Vanderlei Miranda (deputado estadual PMDB/MG)

Cristiano Silveira (deputado estadual PT/MG),
André Quintão (deputado estadual PT/MG),
Tiago Ulisses (deputado estadual PV/MG),
Thiago Cota (deputado estadual PMDB/MG),
Vanderlei Miranda (deputado estadual PMDB/MG)

O Projeto de Lei n°1.473/2015, que dispõe sobre a obrigatoriedade de 60% da frota de veículos pertencentes ao Poder Executivo do Estado ou que a ele preste serviços utilizar pneus reformados foi encaminhado em diligência pela Comissão de Fiscalização Financeira Orçamentária (FFO) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) às Secretarias de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), para que as mesmas apresentem à Casa um relatório sobre o impacto financeiro e orçamentário do projeto, além das implicações decorrentes de sua aprovação.

O relator da matéria e vice-presidente da FFO, deputado Vanderlei Miranda, afirma que do ponto de vista ambiental o PL é louvável, mas a proposta gera grandes preocupações sobre a questão da segurança. “No aspecto ambiental a proposta do deputado Bonifácio Mourão deve receber os nossos aplausos. Mas por outro lado, tenho uma preocupação muito grande que é a questão da segurança. Um pneu reciclado não tem a mesma resistência, durabilidade e a mesma capacidade de um pneu comum de enfrentar as adversidades dos pisos das ruas e estradas. Sendo assim, por um lado eu elogio a ideia que na sua essência tem a preocupação com o meio ambiente, mas na outra ponta existe uma preocupação ainda maior que até extrapola a questão do meio ambiente, que é a segurança das pessoas”.

O PL foi encaminhado também para análise das Comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (MAD) e Constituição e Justiça (CJU) da ALMG.