Comissão Extraordinária do Idoso

A Comissão Extraordinária do Idoso da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) discutiu, nesta quarta-feira (16), a mobilidade urbana e como ela afeta a vida dos idosos. Para falar sobre o assunto, o deputado Isauro Calais (PMDB) que preside a comissão e outros parlamentares que participam dos trabalhos convidaram o representante da Federação das Entidades dos Aposentados e Pensionistas de Minas Gerais, Alencar Linhares de Andrade e o engenheiro de transportes da Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BH Trans), Marcos Fontoura de Oliveira.

O fato da população brasileira estar envelhecendo e não ter uma cultura de valorizar e respeitar os mais velhos foi a tônica do debate. Alencar de Andrade apontou algumas questões preocupantes que agravam a qualidade de vida dos mais velhos “como por exemplo o motorista que não para em um ponto de ônibus”. Ele também destacou transporte inadequado com degraus altos que oferecem riscos, sem contar a falta de qualificação mais efetiva de quem trabalha no setor. Segundo ele, existem várias evidências de que o transporte público só tem piorado.

Em relação a qualificação dos trabalhadores do transporte público, o representante da BH Trans, Marcos Fontoura, lembrou que é uma exigência contratual e são realizados treinos permanentes pelo Serviço Social do Transporte. O que atrapalha o trabalho, de acordo com Fontoura, é que os motoristas são pressionados pelo cumprimento do horário. Outra questão levantada por Fontoura são os assentos reservados. Para ele todos os assentos deveriam ser prioritários.

No final dos trabalhos, a Comissão Extraordinária do Idoso chegou a conclusão de que são necessárias mais ações de governo para colocar em prática os instrumentos do Estatuto do Idoso. O presidente da comissão, deputado Isauro Calais disse que já estão tomando providências para evitar o descaso com os mais velhos. “As prefeituras devem receber alertas para um cuidado mais especial com os idosos, principalmente no que diz respeito aos assentos no transporte público”, ressaltou.