1_pmdb_1223.jpg.g

A preocupação com o aumento do consumo de drogas em Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), marcou a audiência pública realizada na cidade, nesta terça-feira (3/12/13), pela Comissão de Prevenção e Combate ao Uso de Crack e Outras Drogas da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Segundo os representantes do comando militar da cidade e região, ainda é difícil mensurar e identificar quais crimes estão relacionados ao uso de drogas, mas ponderaram que muitos furtos e roubos são cometidos por pessoas de fora da cidade para consumirem drogas em sítios e localidades da zona rural.

O comandante da 182ª Companhia de Polícia Militar de Pedro Leopoldo, major Nilton Roberto da Silva, informou que a média de ocorrências voltadas à infração, repressão e tráfico de drogas é de 140 a 150. No entanto, em outros crimes, como roubos, não é possível identificar quais estão ligados ao uso de drogas. “Nossa estatística é seca porque não mostra quais crimes estão relacionados às drogas”, criticou.

Segundo o major Nilton Roberto da Silva, a companhia conta com 55 policiais para atender, em Pedro Leopoldo, uma extensão territorial de quase 300 km², em 58 bairros e lugarejos, com uma população estimada de 60 mil pessoas. “Temos vários locais, fazendas e sítios, que as pessoas vêm de fora para fazerem uso de drogas”, afirmou.
Para o comandante do 36º Batalhão de Polícia Militar de Vespasiano (RMBH), tenente coronel José Carlos Felício, “o câncer está instalado” e na sua opinião, sem mobilização não haverá solução. “É essencial que a sociedade participe e que as pessoas conversem nas famílias e escolas sobre esse mal que assola a sociedade”, opinou o tenente-coronel.

Já o delegado de Polícia de Pedro Leopoldo, Daniel Buchmuller de Oliveira, alertou que o usuário esporádico e recreativo das drogas financia o tráfico que, consequentemente, fomenta diversos outros crimes. Informou ainda que a maioria dos homicídios está relacionada ao tráfico de drogas.

Prefeita destaca importância das parcerias e reativação de conselho

A prefeita de Pedro Leopoldo, Eloísa Helena Carvalho de Freitas Pereira (PMDB-MG), parabenizou a presença da sociedade na audiência a afirmou que a cidade, assim como todo o Brasil, está passando por este problema “grave, sério e contundente”. Ela destacou as ações de parceria da prefeitura para tentar que “os jovens não se desvirtuem para o tortuoso e muitas vezes sem volta caminho das drogas”. Entre essas parcerias, a prefeita citou a reativação em junho do conselho municipal antidrogas, que trabalha em conjunto com as demais secretarias.

Eloísa Helena acredita que o problema das drogas é muito difícil de vencer, mas que é preciso encontrar formas para amenizá-lo. “Espero que, pela audiência, consigamos novos rumos e armas para combater esse problema”, afirmou Eloísa.

Apesar de defender a ação conjunta de todos os setores para combater as drogas, o subsecretário de Políticas Sobre Drogas da Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude, Cloves Eduardo Benevides, falou que a retórica é uma coisa, mas a prática é difícil porque muitos não assumem as ações para enfrentar o uso de drogas.

Citou como exemplo, a realidade da população carcerária em Minas Gerais, quem tem cerca de 50 mil presos. Benevides disse que, desses presos, 72% têm entre 18 e 35 anos. “E mais de 80% desses jovens presos cumprem pena por crimes conexos por uso e tráfico de drogas”, disse. “Só o contingente da população carcerária mineira e sua relação com uso de drogas já nos impõem algumas práticas”, completou ao dizer que a reativação do conselho municipal de Pedro Leopoldo é uma delas.

Prevenção – O defensor público na Comarca de Pedro Leopoldo, Gilson Santos Maciel, defendeu que as políticas de prevenção devem ser aprimoradas, com mais recursos, e salientou que o foco deve ser a educação e a importância dos valores familiares. Também criticou que o dependente químico seja tratado como criminoso. “O dependente é doente e precisamos enfatizar nos tratamentos de saúde”, opinou.

A importância da família e da educação das crianças e jovens também foi destacada pelo presidente da Câmara Municipal de Pedro Leopoldo, vereador José Maria Soares Santos. “Só vamos vencer esse problema através da união e esforço de toda a sociedade”, acredita.

O presidente do conselho municipal de Assistência Social, Geraldo Eustáquio Alves, destacou a importância das políticas públicas de prevenção ao uso de drogas e pediu que fosse feita uma reflexão no sentido de que dizem que a droga é responsabilidade de todos, mas “acaba que ninguém assume nada”. O vereador Mayron César Tavares Torres também pediu empenho na busca de políticas públicas e de parcerias no combate às drogas.

Vanderlei Miranda relembra papel do Legislativo

O presidente da comissão, deputado Vanderlei Miranda (PMDB), reforçou o convite que tem feito a todas as câmaras municipais nas cidades onde a comissão tem feito audiências, que é de criação de comissões parlamentares de combate ao crack. No entanto, criticou a ausência do Poder Judiciário e do Ministério Público que tem sido recorrente nas reuniões no interior.

Assessoria de Comunicação Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG)