13528364_1110218335701723_3896540580739382308_o

O deputado Douglas Melo se reuniu na última segunda-feia (27), com a secretária de Estado da Educação, Macaé Evaristo, na Cidade Administrativa, para discutir a implantação do Colégio Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais, em Sete Lagoas.

Com promulgação da Lei N° 480, de 10/11/1949, pelo Governador Milton Campos, foi criado no Departamento de Instrução (DI) em Belo Horizonte, o Ginásio Tiradentes da Polícia Militar. Esta conquista foi fruto do esforço e ideal de alguns oficiais, especialmente do então aspirante PM Argentino Madeira, com a colaboração de toda corporação. O objetivo era oferecer educação escolar aos militares e seus dependentes.

Em decorrência da Lei Estadual n° 4941, de 12 de setembro de 1968, o “Ginásio Tiradentes”, passou a se chamar “Colégio Tiradentes da Polícia Militar”, conhecido pela sigla CTPM. Em 1969, a Corporação inseriu no Regulamento Geral da Polícia Militar (RGPM), como uma de suas competências, ministrar educação, ensino e prestar assistência, por meio de estabelecimentos próprios ao pessoal da Polícia Militar e seus dependentes legais.

Para Douglas Melo, a instalação do colégio Tiradentes em Sete Lagoas contribuirá para o aprimoramento da educação em Sete Lagoas com reflexos em toda a região. “É uma escola com uma didática e uma pedagogia que respeita os valores individuais/coletivos e que, como diz seu slogan, forma cidadãos para o futuro”, explica Melo.

Sobre as demandas da Superintendência Regional de Ensino de Sete Lagoas, foram discutidas a correção de distorções das carreiras de técnicos e analistas das SRE’s, entre outras questões. O parlamentar pondera que as distorções das carreiras geram desconforto, insatisfação e desânimo dos profissionais técnicos e analistas. “As correções são necessárias e urgentes e beneficiarão toda a classe no Estado”, observa o deputado.

A reunião contou com a presença do vereador Caramelo; do major Batista da Polícia Militar; do superintendente regional de Educação, Arquimedes Pereira de Sousa; dos técnicos da Educação, Rita Soares e Marcus Rocha; técnicos da Educação, a analista educacional, Gleisiane Fernandes e a ASB Maria Rocha, todos de Sete Lagoas.