1_pmdb_1122.jpg.g

“Recriado, revitalizado e reforçado, o Bloco Minas Sem Censura vem tornar ainda mais forte e aguda a denúncia do que está sendo feito com o estado inconfidente, o estado que sonhou a liberdade de forma pioneira no nosso País”, disse o deputado Sávio Souza Cruz, que assumiu, na tarde desta terça-feira (04/06), a liderança do Bloco de oposição na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

O parlamentar comparou a censura implantada pelo governo tucano no Estado aos canhões da ditadura. “Uma censura econômica, promovida pelo abuso na publicidade oficial”, declarou Sávio Souza Cruz, ao lembrar que os gastos com propagandas em Minas subiram de R$ 900 mil, em 1999, para cerca de R$ 260 milhões já no primeiro ano do governo Aécio Neves. “Um ano de publicidade do governo Aécio Neves equivale a três séculos de publicidade de Itamar Franco”, enfatizou.

Segundo o novo líder, o Bloco Minas Sem Censura vai mostrar e trabalhar para inverter os quadros da Minas Real, onde os professores não têm carreira, onde, desde 2003, não se investe o mínimo constitucional na Saúde e na Educação. E, por outro lado, desmascarar aMinas da propaganda, onde tudo vai bem. “Isso tem feito com que Minas Gerais empobreça. De 2003 a 2010, ficamos em 22º lugar no ranking do crescimento dos estados, abaixo da média do Brasil e acima de apenas cinco estados que tiveram desempenho pior”.

Para o parlamentar, esses problemas foram desencadeados devido a medidas desastrosas do governo, levando o Estado ao máximo endividamento. “Minas Gerais se transformou no estado que mais se endividou entre todos da federação – já são quase R$ 100 bilhões – agravando os problemas na educação, na saúde, infraestrutura e desenvolvimento. Tudo isso ocorrendo paralelamente ao adormecimento das instituições, e esta Casa passou a ser uma instância de homologação das vontades dos tucanos”, reclamou.

Assessoria de Comunicação Deputado Estadual Sávio Souza Cruz (PMDB-MG)