1_pmdb_1114.jpg.g

As medidas adotadas pelo Governo Federal para apoiar a pecuária leiteira durante a safra 2013/14 foram explicadas pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Andrade, na última quinta-feira, 6 de junho, durante o XI Encontro Nordestino do Setor de Leite e Derivados, que acontece em Natal (RN).

As ações fazem parte do Plano Agrícola e Pecuário 2013/14. De acordo com o ministro, em relação aos empréstimos de investimento, a produção leiteira passa a contar com o programa Inovagro, que tem o objetivo de impulsionar a produtividade e a competitividade do agronegócio brasileiro por meio da inovação tecnológica. Nessa modalidade, cada produtor poderá contratar até R$ 1 milhão, com taxa de juros de 3,5% ao ano.

“Essa iniciativa do Governo Federal vai financiar melhorias no padrão tecnológico das propriedades rurais, como possibilitar a automação da ordenha”, explicou o ministro.

Por meio do Programa de Modernização da Agricultura e Conservação de Recursos Naturais (Moderagro), os produtores poderão financiar a reposição de matrizes que comprovadamente tenham doenças como brucelose e tuberculose. Os limites para essa finalidade aumentam na safra 2013/14 em relação à atual. Passam de R$ 3,5 mil para R$ 4,5 mil por matriz, e de R$ 150 mil para R$ 200 mil no valor máximo de crédito liberado por produtor. O prazo de pagamento é de até 10 anos, sendo três de carência.

Os produtores de leite também vão ter melhores condições de financiamento de custeio a partir da próxima safra. O limite de financiamento passou de R$ 800 mil para R$ 1 milhão de reais, com taxas de juros de 5,5% ao ano.

“Fiz questão de vir ao Nordeste para informar que, ainda em junho deste ano, sete estados da região, além do Pará, serão reconhecidos nacionalmente como áreas livres de febre aftosa com vacinação”, disse o ministro, que foi parabenizado pela governadora potiguar Rosalba Ciarlini pelo anúncio da medida que também contempla o Rio Grande do Norte.

Antônio Andrade lembrou ainda das medidas de apoio do Governo Federal aos produtores da região. Entre elas, a proposta regionalizada do Plano Agrícola e Pecuária para o semiárido, com a suspensão da execução das dívidas dos agricultores junto aos bancos; e a autorização por três anos para que indústrias sob fiscalização federal possam destinar 35% da capacidade total de produção para a reconstituição de leite em pó.

Assessoria de Comunicação Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (PMDB-MG)