Piau se reúne com equipe da ANP para tratar de refinaria - Foto: Divulgação

Piau se reúne com equipe da ANP para tratar de refinaria – Foto: Divulgação

Com a divulgação de que a Agência Nacional de Petróleo desenvolveu um estudo, onde aponta que o Brasil precisa de mais duas refinarias para evitar o desabastecimento de combustível na próxima década, e sendo um dos lugares citados o Triângulo Mineiro, o prefeito Paulo Piau revelou hoje (13), após reunião na ANP no Rio de Janeiro, que Uberaba foi inserida no contexto do estudo.

Piau lembra que são questões extramente estratégicas, mas que o anúncio atrai a atenção de todo o país, por isso, colocar Uberaba no foco é imprescindível. A reunião na ANP foi com o diretor Waldyr Martins Barroso, a assessora da Diretoria, Maria Inês Souza, superintendente de Abastecimento, Francisco Nelson Castro Neves e com o superintendente de Refino, Processamento de Gás Natural e Produção de Biocombustíveis, Alexandre Carlos Camacho Rodrigues. O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, José Renato Gomes estava presente.

Estudo – De acordo com dados da agência, o estudo discute a dependência do mercado nacional de combustíveis, que aponta para uma importação de 1,2 milhão de barris por dia em 2030. Pondera também que a Petrobras não construirá mais as refinarias no Nordeste, tanto devido à crise financeira da estatal quanto devido às investigações da operação Lava Jato. Para evitar este desabastecimento, a ANP aponta duas alternativas, que é a construção de mais duas refinarias, sendo uma no Maranhão para abastecer o Nordeste e outra na região do Triângulo Mineiro para abastecer o Centro-Oeste e parte do Sudeste. Na divulgação do estudo, a diretora-geral da Agência, defendeu ainda, que a decisão seja tomada ainda este ano, para que os investimentos sejam concluídos em meados da próxima década.

Referência – Para o Prefeito Paulo Piau, Uberaba tem diversos pontos a favor, sendo eles: Um polo químico referência no Brasil, um Distrito Industrial, que é o III, protegido de aglomeração urbana, água disponível (Rio Grande) e questões ambientais já definidas e estudadas, além da logística, visto que a cidade fica a 500 km das principais capitais do País, como São Paulo, Belo Horizonte e Brasília. Tudo isso dá uma competitividade grande na área da indústria química brasileira, conforme observou o prefeito.

“Nossa missão é colocar Uberaba na fita, na disputa, a disposição para receber investimentos. Segundo a agência o investimento pode ser público ou privado. É complexo, de longa maturação, mas estamos inseridos nele e com perspectiva real de um dia Uberaba ter sua refinaria”, afirmou.
Alinhamento – Aproveitando a reunião, o prefeito e o secretário José Renato voltaram a falar sobre a UFN-5 (Unidade de Fertilizantes Nitrogenados – Planta de Amônia) e o gasoduto já que a agência é parte interessada, no sentido de nivelar informações, visto diversas reuniões ocorridas na Petrobrás, Ministérios de Minas e Energia e também Agricultura, ou seja, órgãos inerentes a questão do gás e da fabricação de fertilizantes.

Ainda no Rio de Janeiro, o prefeito esteve na sede da Petrobras, onde se encontrou com a equipe técnica do projeto UFN-5. “Este é um assunto que não podemos deixar de lado. Os contatos estão acontecendo. Têm empresários e consultores procurando informações do projeto. Assim, nivelar com os interessados as informações é de suma importância. Sabemos que a conjuntura econômica e política do país está complicada, mas temos que fazer a nossa parte, correr atrás, ajustar. Claro que depende de um ambiente de negócio melhor no Brasil, mas acredito que o tema – produção de adubo – vai ganhar força”, finalizou.