1_pmdbminas_311.jpg.g

O PMDB Afro-brasileiro de Minas Gerais, através do presidente nacional do núcleo, Vanderlei Lourenço, realizou, na noite de segunda-feira, 28 de novembro, debate sobre o cenário político de 2014. Tadeu Martins, candidato a prefeito pelo PPL na eleição municipal de 2012, foi o mediador da mesa. O candidato a prefeito pelo PT, ex-ministro Patrus Ananias, o candidato a vice-prefeito do PMDB na chapa do PT, Aloísio Vasconcelos, e o deputado estadual e líder do PMDB na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Sávio Souza Cruz, foram os debatedores.

Durante o encontro, as autoridades falaram a respeito da atuação do PMDB em conjunto com o Partido dos Trabalhadores, não apenas em nível nacional, mas também em Minas Gerais, como o ocorrido nas últimas eleições municipais, nas quais, inúmeras cidades trabalharam com a coligação PMDB/PT ou vice-versa.

Outro ponto abordado pelos debatedores foi a questão da situação atual do Estado, comandado há doze anos pelo PSDB.

O ex-deputado constituinte, Aloísio Vasconcelos, fez um histórico do papel do PMDB e do PT no que tange ao progresso do país.

Em relação ao cenário político de Minas no próximo ano, Aloísio afirma que o PMDB e o PT devem ter estratégias em comum para o embate eleitoral: “Não está certo se haverá apenas um palanque para os dois partidos desde o primeiro turno ou se caminharão separados no primeiro momento, unindo-se, no segundo turno, contra o adversário comum. Esta discussão é ampla e passa, inclusive, por outras questões, como, por exemplo, a questão das coligações proporcionais, tanto para a bancada estadual, quanto para a federal”.

Aloísio ressaltou também que o PMDB, até o momento, tem anotado, junto ao TRE, mais de 400 diretórios e que, até o fim do ano, conseguirá chegar ao número de 600, no mínimo. Segundo ele, essa reestruturação e fortalecimento partidários são fundamentais para o rumo das eleições no próximo ano: “Estamos nos organizando e precisamos de reuniões políticas que discutam os problemas do partido, os problemas dos municípios e os problemas do Estado. Assim, teremos condições de construir um programa de governo que esteja à altura das necessidades dos mineiros”.

O candidato a prefeito de Belo Horizonte pelo Partido dos Trabalhadores, Patrus Ananias, mostrou-se a favor do diálogo entre o PMDB e PT e acredita que o atual momento é fundamental para aprofundar uma aliança estratégica. De acordo com Patrus, os partidos políticos precisam de uma maior interlocução com os movimentos sociais, com a igreja e outros segmentos da sociedade: “Hoje, o governo de Minas vive uma fase difícil. Precisamos de desenvolvimento regional e estimular as potências locais. Vimos, em meados deste ano, as inúmeras manifestações de rua por todo o País. Precisamos trabalhar essas vozes que pediram mudança. Percebemos que não houve nenhum cartaz de pessoas pedindo emprego, nenhuma faixa contra o PRO-UNI ou contra as políticas públicas sociais. Muito pelo contrário, vimos faixas de proteção à vida”.

Sávio Souza Cruz, deputado estadual pelo PMDB, em sintonia com os outros debatedores, fez um breve histórico das atuais condições do Estado. De acordo com ele, vivemos, hoje, em Minas, uma censura na economia e nos meios de comunicação.

“O projeto eleitoral no Estado é imposto. Temos o chamado PIB da China e experimentamos o famoso choque de gestão e, mesmo assim, conquistamos uma dívida impagável com a União. Muitas pessoas não sabem, mas Minas Gerais está em 20º lugar no ranking de crescimento dos estados e somos o campeão da dengue e de desmatamento da mata atlântica”.

Ainda segundo Sávio, o dinheiro público é que paga as propagandas do Governo atual.

Em relação às eleições do próximo ano, Sávio foi enfático ao dizer que, não cogitar a possibilidade de o PMDB caminhar junto com o PT é romper com uma oposição.

“Se a aliança vem no 1º ou no 2º turno, decidiremos posteriormente”.

O presidente do PMDB Afro-brasileiro, Vanderlei Lourenço, considerou que, além de oportuno, o debate foi extremamente importante, dentro do atual quadro de incertezas que cerca o processo eleitoral do próximo ano. Em sua avaliação, novos eventos devem ser realizados com o intuito de aproximar a militância do partido e oferecer a oportunidade de discussões de qualidade, preparando os filiados para participação mais efetiva nas eleições. “Estamos vivendo um momento singular, onde a juventude demonstra maior interesse em ter voz ativa nas decisões políticas. E o PMDB, atento a esses movimentos, busca se fortalecer, sobretudo através dos seus núcleos de apoio, como os negros, a juventude e as mulheres, que buscam aprofundar a relação do partido com os movimentos sociais. É hora de chamar a população para o debate e desenvolver propostas que apontem um caminho de acordo com as suas aspirações.”

O PMDB Afro-brasileiro de Minas Gerais já encontra-se envolvido na elaboração de eventos comemorativos para a semana da consciência negra, em novembro. Está programado para o dia 18 o lançamento do livro “A cultura religiosa afro-brasileira e seu impacto na cultura universitária”, de autoria do Arcebispo Dom José Maria Pires, reconhecido com uma das maiores vozes a favor da promoção da igualdade racial.

Assessoria de Comunicação PMDB-MG